Vale a pena ter um blog?

Sim

Não parece muito responsável uma afirmação tão grosseira sem um contexto e a explicação adequada do que estamos entendendo para ter um blog ou é o que valoramos.

Em várias ocasiões, tenho comentado que a Geofumadas nasceu com a idéia de satisfazer uma obsessão de escrever e também de devolver um valor econômico à disciplina de fazê-lo. O tempo tem mostrado que o equilíbrio para procurar as duas coisas é funcional, embora nem tudo seja tão simples a ponto de resumi-lo em um post tão curto.

lago

Na foto meu filho fazendo a demonstração do salto na bomba meio segundo antes de cair na água. Eu penduro aqui para equilibrar sua insatisfação com o post anterior totalmente dedicado às habilidades da minha filha.

O que chamamos de um blog

Ter um blog é entendido como tendo controle sobre um espaço em que é escrito regularmente, em um tema dirigido a um setor particular, um contato com os leitores e a consciência que vai gostar de fazer tudo o que está acima.

A regularidade para escrever é relativa, pode ser uma entrada diária, cerca de duas por semana ou quinzenalmente. Depende do tempo que é contado e do assunto que apaixonou a ocasião. O tema não deve ser tão fechado que não há lugar para largar o lado humano, embora seja necessário manter uma tendência para um determinado setor de pessoas que compartilhem interesses semelhantes e que com o tempo acham que o espaço traz valor ao setor.

Então deve haver algo em tudo que gostamos. Escrever não é para todos, não se você quiser fazer isso com regularidade para um público que na maior parte tem apenas um número IP, que tão rápido quanto veio do Google ele vai para outro lugar com o mesmo palavra chave sob o braço.

Você tem que ser paciente para encontrar e entender um pequeno segmento que não excede 15% de visitas diárias, o que cria lealdade a um escritor que conhece apenas os dedos. O anonimato pode ser mantido, mas ao longo do tempo o lado humano deve ser mostrado, mesmo se não compartilharmos os mesmos critérios. O leitor deve conhecer seus gostos, seus complexos, seus medos, sua maneira de ver a vida e, em seguida, fotografias de seu ambiente diário, trabalho, ambiente familiar, lugares de viagem podem fazer sentido.

Além disso, requer esforço humano para manter um relacionamento com um segmento menor que está abaixo do 3% que faz comentários, envia um email para o editor, retweets, mexer ou compartilhar em uma rede social um tópico que eles acharam interessante. O 7% restante permanece fiel no anonimato, por curiosidade, respeito, admiração e sinto que mesmo por aversão.

Depois de três anos, podemos aprender que o que fingimos saber não foi suficiente, mas que serviu como semente para entender outras coisas. Além disso, tem sido mais ganho de aprendizado do que o que lançamos como nosso.

Nós chamamos isso de "valeu a pena"

Isso não necessariamente tem a ver com dinheiro, a satisfação está em um grau de retorno em relação ao investimento. Se a paixão é investida, deve haver um retorno de uma paixão maior, é claro que esse não é o meu foco principal, pois os blogs são como Dança de chocolate, onde Angy certamente reconhece a rentabilidade por trás de muitos comentários afetivos de seus leitores que mais do que ser amigos de uma temática são amigáveis, embora sejam do outro lado do continente, que não são de sua raça geomática, mas que se deleitam em cada gota de inspiração com a qual cada tecla foi pressionada.

Devemos também entender que o tempo gasto em um blog vale dinheiro, que poderíamos estar usando em trabalho produtivo, espaço com a família, descanso, viagem, venda de serviços, educação, etc. Tudo isso, tem um custo de investimento e, portanto, deve ter um retorno que substitua o desperdício de tempo.

A inovação de outros tem beneficiado escritores de blogs, dos quais existem alguns até famosos, com redes que defendem seus direitos. O que uma vez custo foi simplificado com empresas que fizeram a publicidade e venda de links um negócio interessante que finalmente funciona. A partir disso, posso resumir alguns que usei em Geofumadas:

  • Anúncios Google, irritantes para alguns, desnecessários para outros, mas uma maneira primitiva de rentabilizar o tráfego por cliques.
  • Os posts patrocinados, alguns da Zync, outros da Reviewme. Não há muitos, mas também se eles se encaixam no espaço, eles pagam contas e depois do outono do ano passado eles se recuperaram pouco a pouco.
  • Os anúncios solicitados, esses são os que uma empresa ou outro blogueiro solicita diretamente, seja no blogroll ou dentro do post. Isso aluga mais -muito mais- mas ter cuidado de que o patrocinador considere que é estratégico.
  • Os pedidos de influência, estes não são necessariamente anúncios patrocinados, mas requisitos para ver se são novidades interessantes, um tópico, um produto, uma empresa e aproveitando a quantidade de influência que você pode ter, faça um tweet, wiggle, deliciouseo, facebookeo ...

Que nomes estranhos viemos a moeda. Felizmente, Cervantes não está mais aqui.

Mais renda

Os exemplos acima são alternativas -não são os únicos- que a web tornou mais fácil para os fóruns de Internet procurar algo que recompense sua paixão por escrever. Mas escrever apenas na Internet não é lucrativo em nosso ambiente hispânico, nem para nós que somos escritores amadores, que nos dedicamos a outras coisas durante o dia e escrevemos à noite.

Você precisa ter algo para oferecer, isso pode ser influência, conhecimento, contatos, produtos ou serviços.

Com o tempo, a prestação de serviços especializados vem por inércia e você deve estar preparado para isso. No caso de um blog de fotos haverá demanda por serviços para o fotógrafo, no caso de produtos tecnológicos haverá demanda para a venda destes, o caso de um blog de tecnologia geoespacial pode ser o desenvolvimento de sistemas ou a assistência em tempo hábil em um projeto

De preferência, você deve estar pronto para fornecer serviços ou oferecer produtos que não exijam presença física. A Internet ajuda muito nisso e você deve tirar proveito disso. Convites para eventos não devem ser desperdiçados, nem para aprender mais, mas para investir em relacionamentos profissionais que darão frutos no tempo.

Assim, depois de alguns anos de escrita sistemática, a consultoria especializada chegará e alugará mais -muito mais-. E então deve ser hora de fazer essas coisas em um minuto sabático sem negligenciar totalmente o blog ou, pelo menos, alertar.

E se vale a pena ter um blog?

Se nos referimos à escrita com disciplina rentável e satisfações.

Sim sim!

5 Replies to "Vale a pena ter um blog?"

  1. Claro que se é xecelente ter um blog e mais para aqueles que querem expressar abertamente o mundo e dizer o que sente e o que você acredita e o que significa melhor do que isso através da internet, e ainda mais compartilham informações intelectuais, técnicas e melhor se isso for de mãos dadas com uma retribuição econômica ao longo do tempo.

    Tudo bem, vá em frente

  2. Claro que vale a pena! Você está certo e se havia algo que "me fisgava" nesse espaço, além de aprender, é o lado humano, porque você sempre resgata coisas cotidianas que nos lembram que você é uma pessoa normal, que coloca energia e desejo e que nada é gratuito, Para conseguir algo, você precisa trabalhar!
    Para mim, sem dúvida, vale a pena, porque, como você diz, o carinho que me vem (e esta semana veio inesperadamente de um leitor anônimo muito querido) de muitos lugares não tem preço e sempre me inspira mais inspiração ...
    Obrigado por me lembrar mais uma vez.
    Beijo!

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.