O papel das geotecnologias na conformação de um cadastro 3D

Na quinta-feira novembro 29, como Geofumadas com participantes 297, participamos de um webinar promovido pela UNIGIS sob o tema: "O papel das geotecnologias na conformação de um cadastro 3D»Por Diego Erba, que explicou a importante relação entre as geotecnologias e o cadastro 3D. O artigo foi abordado por Lau, colaboradora da Geofumadas, com quem à tarde revisamos suas impressões, descobertas e também a revisão de conteúdo porque o UNIGIS Ele pendurou para aqueles que perderam.

Ouvir Erba requer uma mente aberta para uma visão urgente do presente nos países desenvolvidos, e uma visão de médio prazo nos países para os quais esta declaração do 2034 Land Registry não representa medo pelo que pode ser feito; mas sim pela implicação na gestão da mudança, tomada de decisão e implicações econômicas em um contexto em que as dívidas por resultados para o cidadão são altas em termos de fornecer melhores serviços a partir dos dados territoriais. Meu colaborador, Lau tem sido muito profissional em resumir o conteúdo do Webinar; Na cor café meus comentários aparecem como editor da Geofumadas.com.

O webinar foi desenvolvido com base no conteúdo do livro FIG-Práticas recomendadas 3D Cadastres, e começou explicando, como a modelagem 3D pode melhorar o cadastro, já que está envolvida em uma forte revolução tecnológica, que oferece oportunidades para espaços para introduzir tecnologia que promova o desenvolvimento, tudo sem negligenciar todos os atributos que vêm de Dados 2D (mapas, cartas, planos).

Erba, enfatizou que os processos de coleta de dados devem ser simplificados através de software livre como Desconexo, que é um aplicativo de framework criado para capturar dados e esses dados são armazenados na web, deixando de lado o uso do papel como um método de coleta arcaico.

Um tremendo desafio para os tomadores de decisão. Naturalmente, a visão acadêmica e visionária é uma abordagem válida. No entanto, quando nós experimentamos como o Multiusos Cadastro Colômbia, onde Trimble veio com sua maravilhosa Folio Terra e PenMap, caímos à conclusão de que a conectividade e eletricidade mesmo estável nas zonas rurais ainda é um desafio distante. O armazenamento na Web ainda ocupará uma versão híbrida entre coleta, sincronização e até mesmo alguns papéis.

A abordagem deve ser considerada levando-se em conta que, embora no campo tecnológico ainda estamos em uma fase de transição entre o 3D de visualização e o 5D da operação, as grandes cidades da América Latina precisam urgentemente adotar mecanismos de primeiro mundo, eles serão boas práticas para o caminho para cidades inteligentes.

Ele indicou ainda que devemos começar a pensar em um 3D modelagem não só pela revolução tecnológica, mas pela realidade das demandas de espaço, através desta é possível uma melhor modelagem da dinâmica espaço-estruturais. Através de um exemplo, você poderia visualizar o papel de 3D modelagem para um evento adverso, tais como terremotos e pode calcular o deslocamento de estruturas em relação à terra e deslocamento do solo em termos de estruturas.

Ele também mostrou os estudos científicos realizados em todo o mundo, que da 2011 promoveram o uso da modelagem 3D para a análise do espaço, além de convidar os ouvintes para o desenvolvimento de projetos relacionados a este tema, especialmente na América Latina.

A integração tecnológica

Para entender a tecnologia que envolve 3D modelagem, de acordo com o terreno, é necessário responder à pergunta de como uma propriedade está registrada no 3D?, Sabendo que a unidade foi originalmente associado com o uso da terra polígono sempre, como você pode registrar uma propriedade em 3D e que benefícios não foram obtidos com o cadastro tradicional.

Bem, em primeira instância, o uso de tecnologias 3D poderia ser usado para gerenciar espaços, isto é, para fazer descrições de sua forma, volume e localização, bem como os tipos de superfície onde eles estão localizados.

Usando sensoriamento remoto moderno é possível capturar grandes volumes de dados, incluindo a geração de dados, tais como pontos de nuvem ou nuvem de pontos, essenciais para a construção de objetos 3D impulsionar o desenvolvimento de bases de dados espaciais.

A geomática dos países em desenvolvimento deve se apropriar de abordagens como essas, que, como eu disse acima, são visionárias e irreversíveis. À medida que essas coisas se materializam, é importante insistir nos processos; porque embora as ferramentas de captura tenham avançado, as funcionalidades do software para sua modificação, com controle transacional e trato sucessivo para as informações anteriores são limitadas. Se a adoção do padrão ISO-19152 for um desafio ainda complexo, entre a redução do modelo conceitual para o modelo físico, com as classes topográficas baseadas no ponto como uma unidade de armazenamento de metadados; é imaginar se queríamos uma modelagem tridimensional (não por visualização ou captura, mas por administração controlada).

Eu acho que o problema não está em adotar novas visões. Todas as instituições possuem recursos humanos especializados, especialmente em termos de análise da informação e desenvolvimento tecnológico; mas a dificuldade é acoplar os processos de missão que não só incidem sobre a fase de aquisição dos dados, mas exigem formalização deste novo dado da realidade, os critérios de disposição e qualificação para outras entidades que fazem uso de mecanismos de informação atualização sob controles transacionais, e também a abordagem da curva de aprendizado para os atores que participarão da prestação de serviços ao cidadão.

Que implementaram processos integrados entre Registo Predial, estamos conscientes do desafio da gestão da mudança envolvidas incluem a qualificação de um gravador que exibe um mapa em um visualizador da web que não carrega mais descrito adjacente, por escrito, como eles são visível na descrição técnica dinâmica do mapa cadastral e, que também reflete as restrições das regras do regime especial decorrentes da legislação territorial. Agora imagine que, em vez de um plano 2D, você deve ver uma malha tridimensional com construções semi-fundidas no melhor esforço de Drone2Map ou ContextCapture.

No webinar foi tocado que antes de discutir a implementação de mapeamento 3D em todo o mundo, é necessário aplicar tecnologias apropriadas para gerar modelos de representação do espaço, assim como o geóide, como estes são necessários para construir e apoiar o modelos adaptados à realidade espacial. A construção deste modelo em muitos países é praticamente nula, o que é um problema sério quando se considera este tipo de representações cartográficas, mais avançadas.

A parte legal não pode ser deixada de lado, sabendo que o cadastro, como tal, envolve o ambiente físico jurídico - econômico e natural. Dependendo do enquadramento legal associado ao cadastro em cada cidade, será determinado o modo como as estruturas e espaços são tratados, discutido o caso da Colômbia-Brasil, onde há a venda do direito de construção dos espaços não construídos (área vermelha) .

Então, o que usar o 3D terra, bem como dados de volume existente, também será útil para o que eles chamaram o seminário web como "situações de sobreposição", isto é, para resolver problemas relacionados com restrições, sobreposições verticais (edifícios relacionados) ou infra-estruturas (condutas, cabos, túneis ou tubagens).

Partindo de duas premissas:

  • Aquisição: isto é, o que existe, o que existe, onde é como parece.
  • Criação: crie dados por meio de tecnologias como o BIM e gere modelagem 3D, que passará pelo processo de renderização que dá ao objeto a aparência que ele tem na realidade.

Que pena insistir novamente; não termina a gestão da administração de terras, mas nas fases posteriores de atualização e integração de serviços aos atores ligados à cadeia de transações.

Contribuições para a geoengenharia

Durante a exposição, Erba mostrou exemplos de como eles têm sido usados ​​os modelos 3D de certas estruturas de serviços básicos, o que indica que esses modelos representam uma ferramenta para a tomada de decisão, uma vez que é parte do que existe, isto é, visualize que existe, onde existe e como é, este poderia ser o ponto de partida das simulações que usam este tipo de dados para evitar qualquer tipo de evento positivo ou negativo.

O conceito de parcela cadastral é então mudado para objeto, a inclusão do conceito começa Voxel, algo como a contraparte do pixel, mas nos objetos 3D, "é a unidade processável mínima de uma matriz tridimensional". O conceito do cadastro econômico 3D também é introduzido, a partir do qual o virtual ou Avaliação Virtual, que constitui uma simulação com a qual uma propriedade é colocada em um espaço específico, para determinar certas características de acordo com sua estrutura e sua relação com o ambiente imediato.

O que pode acontecer com os Sistemas de Informação Geográfica, e todo o ambiente criado para sistemas de análise espacial?, E agora depois de estabelecer prioridade de geração de dados 3D porque Erba disse que alguns profissionais associado com o campo indicam espacialmente que é o fim dos dados vetoriais, como é conhecido, isto é, que é "O fim do polígono" como base para a associação de dados vinculados ao cadastro", Que implica que a maneira em que eles estão sendo obtidos, construídos e analisados ​​deve ser considerada.

Incluindo visualização e manipulação de dados 3D não está longe da realidade, aplicativos como o ArcGIS Pro ESRI, Bentley Systems DigitalTwins ter incluído em sua interface de funcionalidades em relação a estes dados, QGIS também tem sido inclusive complementos manipulação de dados pointclouds, Por isso gera um mistério quanto ao que vai acontecer com aplicações convencionais e outros para o GIS análise espacial, porque as atualizações devem ser compatíveis com o desenvolvimento tecnológico iminente, veremos em poucos anos, se houver modificações de software livre que permitir uma ampla gama de funcionalidades para a manipulação de dados 3D.

A pergunta que devemos fazer é se nossos países estão trabalhando lado a lado com os avanços tecnológicos, o desenvolvimento de SmartCities é um fato que está ao virar da esquina, e requer maior esforço de integração tecnológica, a partir de modelagem 3D ao relacionamento com os vários sensores existentes, além do conceito de Internet das coisas - Internet das coisas, e transmissão de dados através da nuvem, é o que transforma a cidade ea terra, levando-os a ser cidades inteligentes e terra inteligente.

Este webinar foi bastante interessante, considerando a importância do BIM-modelagem 3D- dados na nuvem-sensores para geo-engenharia, e também para aqueles que estão se movendo para o manuseio de tais informações.

De minha parte, meu respeito por Diego Erba, por sua incansável pregação de uma visão além do imediato. Sem mencionar seu calor e particular dinâmica de expressar tópicos defumados na melhor versão possível para os mortais.

UNIGIS, além de ter essa oferta imbatível de Mestrado em Sistemas de Informação GeográficaCom esses webinars, está apoiando a criação de uma comunidade que deseja conteúdo que agregue valor ao setor. Embora os números sejam frios, 95 Colombianos, 37 Argentina, 35 México e 33 Equatorianos responderam por dois terços do total de participantes neste webinar.

Para esperar pelo próximo.

Você não poderia participar do # webinar de #UNIGIS com Diego Erba? Aqui está o link com o registro curto para ver a gravação #: https://attendee.gotowebinar.com/register/7579969785221365507

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.